O CASTIÇAL

ÊX 25.31-40

  

Pr. José Antônio Corrêa

 

Descrição: D:\Uteis\semeando\gifs\candelabro.jpeg

 

INTRODUÇÃO:

 

Vimos no Estudo anterior o simbolismo que envolvia a Mesa e os Pães. Como pudemos observar o Pão simboliza o nosso suprimento diário vindo de Deus. É o Senhor quem nos supre com o pão-nosso de cada dia. No dizer de Davi, Deus jamais deixará que seus filhos mendiguem o pão: "Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão", Sl 37.25. Pelo contrário, "...ele supre aos seus amados enquanto dormem", Sl 127.2. É não Mesa dos Pães que o suprimento chega aos filhos de Deus! É ali que saciamos nossa fome física, e também nossa fome espiritual. Lembre-se que o maná descia dos céus para alimentar o povo de Deus no deserto (Nm 11.9; Dt 8.3). Hoje, Jesus é o Pão da Vida que desceu dos céus como alimento espiritual a cada um de nós, filhos do Altíssimo! Queremos, no presente estudo enfocar o simbolismo que envolvia o Castiçal. Certamente o castiçal também nos ensinará princípios que nos edificarão profundamente!

 

I. O CASTIÇAL

 

1. O Castiçal, "hrwnm" – menowrah – "suporte de luz", "abajur", "candeeiro", "candelabro", etc.. Era uma peça única de ouro batido e ficava no lado esquerdo do Lugar Santo, ao sul. Era composto de seis hastes e cálices em formato de amêndoas. Se o visualizarmos com nossas mentes, podemos vê-lo tendo a aparência de uma árvore de ouro. Outro detalhe de considerada importância está relacionado ao combustível que alimentava o fogo noite e dia, o azeite puro de oliveira. Veja a descrição feita por Cole:

 

"Zacarias 4:2, numa visão, parece se referir a um candelabro que consistia de um único vaso de azeite cuja borda possuía sete aberturas laterais de modo a receber sete pavios (segundo Davies, W.F. Albright menciona a existência de tais lâmpadas encontradas em Mizpa). Todavia, se compararmos a descrição aqui oferecida com a escultura no Arco de Tito, surgem algumas diferenças. Trata-se neste caso de um candelabro de sete hastes, feito de ouro maciço (madeira de acácia revestida de ouro não se podia usar aqui). O candelabro era profusamente decorado com moldes e esculturas de amêndoas e flores de amendoeira, e sustentava sete pequenas lâmpadas de pavio único".(1)

 

Veja ainda a descrição de Shedd:

 

"A representação do mesmo, no Arco de Tito, mostra que era formado de uma haste central (chamada de ‘castiçal mesmo’, em versículo 34), com três projeções de cada lado, todas encurvadas e chegando à mesma altura, assim formando sete lâmpadas todas na mesma altura (22). As próprias lâmpadas tinham a forma de um lírio aberto segurando uma taça. Cada projeção era enfeitada com ornamentos que consistiam de um botão de amêndoa, uma maçã (botão, como o capitel de uma coluna), e uma flor de lírio, sendo que as projeções laterais tinham três desses ornamentes enquanto que a haste central tinha quatro (33-35). Os ornamentos não eram fixados externamente, mas formavam uma só peça com o todo (36).(2)

 

2. Era um aparto construído especialmente para trazer luz para o interior do Tabernáculo. Não precisamos dizer que sem o Castiçal, o Santuário ficaria complemente imerso na escuridão! Por esta razão entendemos que a principal e única função do Castiçal, era a iluminação do recinto sagrado, isto não levando em conta ainda o simbolismo envolvido, o qual passamos a apreciar no ponto seguinte.

 

II. SIMBOLISMOS

 

1. Queremos ver agora quais são os simbolismos envolvidos no Castiçal, e suas aplicações para os filhos de Deus atualmente.

a) Inicialmente, queremos entender que o seu significado estava ligado à nação de Israel, que fora levantada por Deus para ser "luz para os gentios". Esta idéia é clara em Isaías 42.1, 6: "1 Eis aqui o meu servo, a quem sustenho; o meu escolhido, em quem a minha alma se compraz; pus sobre ele o meu Espírito, e ele promulgará o direito para os gentios. 6 Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios". Na verdade Deus criou a nação de Israel com um propósito específico, ou seja levar o Seu nome a todas as nações da terra. É desta maneira que entendemos a chamada de Abraão, e a promessa a ele de ser bênção para as nações, "...e em ti serão benditas todas as famílias da terra", Gn 12.3b. Não é por acaso que Deus usa uma expressão semelhante ao comissionar Paulo como pregador aos gentios: "porque assim nos ordenou o Senhor: Eu te pus para luz dos gentios, a fim de que sejas para salvação até os confins da terra", At 13.47. Tal ponto de vista é citado com propriedade por Cole:

 

"Alguns pensam que o candelabro significava a missão de Israel como luz para os gentios (Is 60:3). Certamente o "sete’’ como sempre simbolizava perfeição, ao passo que o óleo, pelo menos mais tarde, se tornaria um símbolo do Espírito de Deus (Zc 4:1-6). O simbolismo pode ser o da luz que a presença de Deus traz ao Seu povo (Nm 6:25), se lembrarmos que luz, no Velho Testamento, é também um símbolo da vida e de vitória (Sl 27:1)".(3)

 

b) Se o simbolismo acima está correto, e cremos que está, podemos dizer ele se aplica também a Jesus, a Luz que veio ao mundo e a nós como propagadores da Luz.

b.1) Quando Jesus deixou Nazaré e foi habitar em Cafarnaum, Mateus, citando o profeta Isaías (9.2), fala acerca da vida e ministério de Jesus, como sendo a chegada da luz divina àquela região: "o povo que estava sentado em trevas viu uma grande luz; sim, aos que estavam sentados na região da sombra da morte, a estes a luz raiou", Mt 4.16.

b.2) Uma descrição não menos significativa está no começo do Evangelho de João onde o termo "luz", aplicado ao Filho de Deus se repete por consecutivas vezes, "4 A vida estava nele e a vida era a luz dos homens. 5 A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela. 6 Houve um homem enviado por Deus cujo nome era João. 7 Este veio como testemunha para que testificasse a respeito da luz, a fim de todos virem a crer por intermédio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para que testificasse da luz, 9 a saber, a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem", Jo 1.4-9. Observe a incidência da palavra "luz" com referência a Jesus nos vs. 4, 5, 7, 8, 9, somando 6 vezes.

b.3) Indo um pouco mais adiante no mesmo Evangelho de João, encontramos Jesus fazendo referência a sim mesmo como sendo a Luz vinda de Deus para iluminar a todo homem, Jo 8.12, "Então Jesus tornou a falar-lhes, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida". Esta mesma aplicação se nota em Jo 9.5; 12.35-36, 46;

b.4) Uma outra aplicação importante envolve o crente, o filho de Deus, que por natureza tornou-se um receptáculo da luz divina. Cabe a nós como testemunhas de Jesus e de Sua Palavra, ser luz para o mundo pecador imerso em densas trevas! Se temos em nós a verdadeira Luz, esta Luz precisa brilhar na salvação de vidas. É através de nosso comportamento irrepreensível, uma conduta honesta, verdadeira, num mundo iníquo, que iremos iluminar aqueles com os quais convivemos e aos quais precisamos testemunhar da Luz de Deus. Como luz, precisamos falar incansavelmente do Senhor e de Sua Palavra. Note como Jesus orientou assim seus discípulos, Mt 5.14, "Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte". E Paulo escrevendo aos Filipenses, afirmou: "... para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo", Fp 2.15. Podemos observar aqui o comentário de Barrow:

 

"Nós não só necessitamos ver Sua luz, nós precisamos andar em Sua luz (I João 1:5-7; Efésios 1:18; 5:5-8). Isto incluirá o Senhor brilhando sobre muitas coisas que não O refletem. Nós devemos confessar essas coisas que Ele ilumina na nossa consciência ao nosso Advogado nos céus, Jesus Cristo o Justo, O qual se entregou a Si mesmo pelos nossos pecados (I João 1:9; 2:1-2). Esta atuação em nosso interior é a função da luz da vida: o sacerdote preparava os pavios das lâmpadas e enchia os cálices com óleo e a luz aumentava em intensidade novamente (compare Apocalipse 1:12-13)"(4).

 

c) Devemos lembrar que os sacerdotes precisavam ficar atentos, alimentando diariamente o Candeeiro com o azeite de oliveira, impedindo desta maneira que as lâmpadas viessem a apagar. Precisamos nós também como filhos de Deus, cuidar para que a Luz de Deus não se apague em nós, ou venha ter o seu brilho diminuído em nossas vidas. Lembre-se que o óleo é símbolo do Espírito Santo! Assim como o Candeeiro precisava ser abastecido com óleo, precisamos nós também ser abastecidos com a unção do Espírito Santo. Não é por menos que Paulo nos adverte a que não apaguemos o Espírito Santo em nossas vidas, 1 Ts 5.19, "Não extingais o Espírito". Pelo contrário precisamos ser plenos dEle em nossas vidas, Ef 5.18, "E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito".

d) Outra observação não menos interessante é que o Castiçal foi construído a partir de uma barra maciça de ouro batido, para formar as setes hastes, Êx 25.36, "Os seus cálices e os seus braços formarão uma só peça com a haste; o todo será de obra batida de ouro puro". Podemos dizer que a haste principal prefigura Jesus, sendo que demais hastes podem prefigurar a igreja (pessoas convertidas). Sobre este simbolismo discorre Barrow:

 

"O castiçal era feito a partir de trabalhar sobre somente um bloco de ouro. Em primeiro lugar, a haste central foi batida e formada. Depois, seis ramificações foram formadas da haste central. Isso nos mostra Cristo e Seus membros em Seu corpo (I Coríntios 12:12). Quando Jesus veio, Ele era a única Luz do Mundo. Então Pedro, Tiago e João foram "batidos" ou feitos em Cristo (II Coríntios 1:21). Nós sabemos que as três lâmpadas de cada lado do castiçal eram acesas a partir da lâmpada central, quando o castiçal era montado. Isto indica que Cristo "iluminou" Pedro, Tiago, João e os outros primeiros discípulos e eles começaram a segui-lO, a Luz do Mundo"(5).

 

e) Como os cálices do Castiçal tinham o formato de amêndoas, isso nos sugere mais um simbolismo, Êx 25.33, "Em um braço haverá três copos a modo de flores de amêndoa, com cálice e corola; também no outro braço três copos a modo de flores de amêndoa, com cálice e corola; assim se farão os seis braços que saem do candelabro". Lembrando do episódio da vara de Arão que floresceu (Nm 17.8), as flores de amêndoa parecem nos indicar o cuidado constante de Deus para com a nação de Israel e para com o seu povo nos dias atuais. Dentro deste simbolismo nos escreve Cole:

 

"Se as referências à amendoeira forem encaradas literalmente como desenhos usados para decoração (e esta parece ser a interpretação óbvia), isso nos lembra a vara de Arão, feita de amendoeira, e que florescera (Nm 17:8), e também a visão de Jeremias (Jr 1:11,12). Jeremias nos dá a entender que a amendoeira, sendo a primeira árvore a florescer na primavera, era um símbolo apropriado do maravilhoso cuidado divino para com Seu povo, e do cumprimento de Sua promessa feita aos antepassados de Israel. Tudo isso é mera especulação, todavia, e neste terreno é melhor que se pise com cuidado(6).

 

2. Vimos que no Tabernáculo, a iluminação ocorria através do Castiçal, que por sua vez representava a luz de Deus, tanto para a nação de Israel, como também para a Igreja de Cristo. Deus é a Luz de seu povo! Um ponto que não podemos deixar de mencionar é que na Jerusalém Celeste, não haverá mais a necessidade de um Castiçal, de uma luz produzida, pois sua iluminação virá pelo próprio Deus, Ap 22.5, "E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos". Certamente "... a Nova Jerusalém será um enorme castiçal de ouro, não necessitando mais de nenhum cuidado contínuo. Não haverá mais trevas para combater, simplesmente fluirá o rio da água da vida, com a árvore da vida, que procede do trono de Deus e do Cordeiro (22:1-2)(7). Terminamos com Ap 21.22-24, "22 Nela não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. 23 A cidade não necessita nem do sol, nem da lua, para que nela resplandeçam, porém a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. 24 As nações andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória". Aleluia!!!

 

BIBLIOGRAFIA:

 

BARROW, Martyn. Artigo "O Castiçal". http://www.domini.org/tabern. martyn@domini.org. Tradução: Pastor Eduardo Alves Cadete (05/01). Revisão: Joy Ellaina Gardner (02/02). Calvin G. Gardner 03/02.

BÍBLIA ONLINE. Sociedade Bíblica do Brasil. Versão 2.01. 1999.

COLE, Alan, Ph.D. Êxodo, Introdução e Comentário. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. São Paulo, 1963.

SHEED, Russel. O Novo Comentário da Bíblia. Edições Vida Nova. São Paulo. Vol. I, págs. 143-154.

SHEED, Russel. O Novo Dicionário da Bíblia. Edições Vida Nova. São Paulo. Vol. III, págs. 1553-1557.

 

NOTAS:

 

(1) COLE, Alan, Ph.D. Êxodo, Introdução e Comentário. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova. São Paulo, 1963. Pág. 186.

(2) SHEED, Russel. O Novo Comentário da Bíblia. Edições Vida Nova. São Paulo. Vol. I, pág. 14.

(3) COLE, Alan, Ph.D. op. cit. pág. 187.

(4) BARROW, Martyn. Artigo "O Castiçal". http://www.domini.org/tabern. martyn@domini.org. Tradução: Pastor Eduardo Alves Cadete (05/01). Revisão: Joy Ellaina Gardner (02/02). Calvin G. Gardner 03/02.

(5) Id. Ibid.

(6) COLE, op. cit. pág. 187.

(7) BARROW, op. cit.